Alexandra Shevchenko: um salto da ginástica para o parkour

Há alguns dias, uma mulher de São Petersburgo, mestre dos esportes na ginástica artística Alexandra Shevchenko se tornou a primeira entre as mulheres nas maiores competições de parkour e freerunning Red Bull Art of Motion 2017. Em uma entrevista com ela, decidimos descobrir por quê a paixão da menina pelo parkour começou, o que é freerunning e em que consistem seus treinos diários.

Alexandra Shevchenko: um salto da ginástica para o parkour

- Sasha, conte-me como você começou faça parkour. Como surgiu essa escolha?
- A princípio pratiquei ginástica por muito tempo e profissionalmente, depois terminei minha carreira esportiva e consegui um emprego como preparador físico geral de tenistas. Em algum momento, decidi procurar outro emprego e fui conseguir um emprego em um clube esportivo como treinador de acrobacia. Lá eu vi que os caras estavam pulando e fazendo alguns elementos inusitados. Parecia legal! Ou seja, parece acrobacia, mas não parece, algo inusitado, novo. Desde o primeiro dia, fiquei tão impressionado com isso que depois desapareci no corredor todos os dias.

- Que tipo de treinador você seria se não tivesse visto o parkour naquela época?
- Vim procurar um emprego para ensinar acrobacia clássica comum às pessoas. E no centro do clube havia um parque de parkour. E a primeira coisa que vi foi como os caras sobem nos cubos, dão cambalhotas, se movem ao longo deles, pulam no poço de espuma. Então eu vi outra acrobacia pela primeira vez e gostei bastante.

- Como o parkour e o freerunning apareceram?
- Em geral, o parkour foi originalmente inventado. Os caras que lidaram com isso (a famosa equipe Yamakashi) tinham sua própria filosofia. Consistia no fato de que o parkour não é nem um esporte, mas a arte do movimento: nos movemos, superamos com beleza e rapidez os obstáculos no local e na vida, elevando assim o nosso espírito. Então algo aconteceu, eles seguiram caminhos separados e David Belle permaneceu associado à palavra “parkour” e Sebastian Fukan chamou sua direção de corrida livre.

Alexandra Shevchenko: um salto da ginástica para o parkour

Foto: www.redbullcontentpool.com

- Nas competições que aconteceram recentemente, você disputou a modalidade de freerunning. Me diga com mais detalhes o que é?
- Esse é o mesmo parkour, os mesmos saltos, mas com a adição de elementos da acrobacia. Para deixar mais claro, o parkour está se movendo do ponto A ao ponto B da maneira mais eficiente, você precisa chegar à linha de chegada o mais rápido possível e o freerunning é se mover em uma determinada área, você faz manobras, saltos, adiciona elementos acrobáticos. É mais espetacular e bonito.

- Do que é feito um programa de freerunning para competições? Existem elementos básicos necessários?
- Claro, existem elementos que são repetidos com mais frequência, existem também elementos do parkour comum. Por exemplo, você escala uma parede com a ajuda do clássico “ferimento de onda”, mas aí você pula já através de cambalhotas. O programa também inclui frequentemente parafusos de ginástica clássicos, mas em geral você pode ser criativo compensamos no seu programa, pois sua tarefa na competição é surpreender o público e os jurados. Agora, em geral, existe uma corrida de truques, para inventar algo novo, que ninguém viu.

- Como você treina?
- Eu sempre digo a todos, isso sem treinamento físico geral em qualquer lugar. Porque se você não treinar seus músculos, seu corpo não estará pronto e mesmo com uma aterrissagem banal você pode sofrer lesões graves. Em geral, tento não pular no asfalto nu, mas, por exemplo, em Santorini não havia outra opção. Portanto, treino físico geral, alongamento, acrobacia, parkour clássico são o que eu sempre tenho na minha programação de treinamento.

- Eu sei que algumas semanas antes da competição você participou do acampamento de crossfit. O que o CrossFit oferece a você? Por que esse tipo específico de condicionamento físico?
- Sim, algumas semanas antes da competição, eu realmente fui para o acampamento de crossfit e fiz um treinamento funcional por uma semana inteira, não fiz nenhuma acrobacia, mas preparei meu corpo em termos de resistência.

Alexandra Shevchenko: um salto da ginástica para o parkour

Foto: www.redbullcontentpool.com

- Ajudou você em preparação para a competição?
- Na verdade, sim. Se antes eu caí algumas vezes e depois subi, senti meus músculos começarem a doer. Desta vez não foi assim e com a ajuda da resistência arranquei tudo.

- O equilíbrio é importante no parkour e no freerunning?
- Temos um esporte que você vai relaxar um pouco e se machucar imediatamente. A cabeça sempre deve funcionar, você sempre deve ser coletado. E se você sentir que está muito cansado e não consegue se concentrar de forma alguma, é melhor parar de treinar e ir descansar.

Alexandra Shevchenko: um salto da ginástica para o parkour

Foto: www .redbullcontentpool.com

- Como foi a competição da qual você participou recentemente?
- O Red Bull Art of Motions é o maior de todos os tempos competições de parkour e freerunning. A seleção ocorre em várias etapas. Seis finalistas do ano anterior devem chegar à final, então mais 4 meninos e 3 meninas passam pela seleção online. E mesmo se você não passar por essa fase, você sempre terá a chance de vir a Santorini e ser selecionado no local em três dias.

Assista ao replay da transmissão do Red Bull Art de movimentos

Em geral, tudo era maravilhoso e havia uma atmosfera muito maluca ao redor. Este ano houve eliminatórias muito fortes, não piores do que as finais.

Alexandra Shevchenko: um salto da ginástica para o parkour

Foto: www.redbullcontentpool.com

- Que planos você tem agora?
- Meu objetivo agora é competir, fazer o máximo possível, participar em qualquer lugar. E, claro, levo muito a sério a Copa do Mundo do ano que vem.

Postagem anterior Vendo mais profundamente: Travis Rice redefine o snowboarding
Próxima postagem Estilo livre em Paris. Oia Traore